A liberdade ambígua de Cinquenta Tons de Liberdade

O último filme da trilogia Cinquenta Tons de Cinza, o Cinquenta Tons de Liberdade (Fifty Shades Freed, 2018), encerra a história de amor entre Anastasia (Dakota Johnson) e Christian Grey (Jamie Dornan). O filme inicia com a cena do casamento, mas nenhuma atenção é dada a cerimônia, não há declarações, frases ou cenas marcantes. Ela ocorre muito rapidamente, dura segundos, o que é no mínimo estranho, já que o filme anterior termina com o pedido de noivado e a cena de casamento seria um gancho de conexão entre os dois filmes.

Apesar de ser um romance, poucos são os momentos de amor genuíno na trama. A conexão das personagens parece ser estritamente carnal e até um pouco obsessiva pela parte de Christian. Mais uma vez, o casal em cena não convence. Não há química alguma entre Johnson e Dornan. Mesmo nas cenas de sexo, que são o ponto forte da trama, não há sintonia entre os dois. Aliás, do jeito que a narrativa é conduzida, o sexo se torna o único ponto de ligação do casal. As cenas são mais recorrentes do que nos outros filmes.

Cinquenta Tons de Liberdade

Imagem: Divulgação/Universal Pictures

Assim como no filme anterior, vemos uma Anastasia mais desafiadora do que a dos livros e a do primeiro longa da franquia, mas Christian utiliza o sadomasoquismo para punir qualquer tentativa de independência da moça. Há uma cena em que o sadomasoquismo extrapola e passa a ser uma vingança, uma tentativa real de Grey mostrar a Ana que ela não deve desobedecer seu “mestre”. A dominação não se restringe ao sexo, mas ultrapassa a liberdade de Ana. Diversas são as cenas em que Sr. Grey mostra ciúmes excessivo e impõe barreiras sobre a vontade de Steele.

O filme é banhado pela luxúria. Carros caríssimos, roupas de marca e casas deslumbrantes dominam a tela. Anastasia muda completamente seu estilo e sua forma de se portar após o casamento, tentando parecer uma mulher independente e dona de si. O passado misterioso e sombrio de Christian continuam sendo um empecilho para o casal e a trama é cheia de desentendimentos entre os dois, seja pela ameaça que os cerca, pelo instinto dominador de Grey ou pelos traumas do protagonista.

Cinquenta Tons de Liberdade

Imagem: Divulgação/Universal Pictures

Porém, um evento acontece e muda a perspectiva de Grey sobre a sua vida e sobre o futuro do casal, trazendo o tão sonhado final feliz. Nos minutos finais, takes dos filmes anteriores aparecem enquanto Ana olha para Grey, bem Saga Crepúsculo- Amanhecer Parte II (The Twilight Saga: Breaking Dawn — Part 2, 2012), o que não é coincidência, já que a trilogia de E.L. James foi inspirada na saga. A música icônica Love Me Like You Do (Ellie Goulding) também volta para finalizar a história. A última cena mostra uma Anastasia totalmente confortável e adepta ao sadomasoquismo, e um novo Christian, que aceita ser submisso de sua amada.

O filme chega aos cinemas nesta quinta. Confira o trailer abaixo.

por Júlia Vieira
juliavcamargo@live.com

Comentários