Top 10: Os road movies mais excêntricos que o cinema já viu

Férias lembram viagem. Que lembra estrada. Que lembra paisagens diferentes, horas a fio dentro de um carro ou ônibus, pessoas estranhas com sotaques engraçados, músicas esquisitas, chuva, tempo seco. Aventuras e barcos furados. Road Movies. Daí listar para você os mais excêntricos “filmes de estrada” que o cinema já viu, porque mesmo quem não vai viajar nessas férias merece pegar estrada – nem que seja na frente da televisão. E uma boa dose de excentricidade não faz mal a ninguém.

1- Sem Destino (Easy Rider, 1969) – A aventura dos dois motoqueiros hippies pelo interior dos Estados Unidos é um retrato bem-feito de uma época complexa. O grande mérito do filme talvez seja sintetizar de uma forma simples e resoluta os medos e as esperanças da juventude dos anos 60. Filmado em parte no improviso e com um orçamento apertadíssimo, o filme é uma prova de que para se fazer cinema de qualidade não se precisa de muito mais do que vontade.

2- Thelma & Louise (1991) – Embaladas pelo clima de liberdade experimentado durante o percurso na estrada, duas amigas vão mais longe do que pensavam: se envolvem em situações perigosas, incluindo assassinato, roubo e noites de amor com desconhecidos. O filme põe em cheque não só o papel limitado da dona-de-casa comum norte-americana, mas também do verdadeiro significado e preço do sentimento de liberdade em nossas vidas.

3- Diários de Motocicleta (2004) – O longa narra a viagem pela América do Sul do jovem Ernesto “Che” Guevara antes de se tornar o ícone da Revolução Cubana e símbolo do espírito revolucionário que marcou uma época. Com um Che menos idealizado, mais humano, confuso e sensível, o filme traz antes de qualquer coisa uma história real bonita e admirável.

4- Sideways – Entre umas e outras (2004) – O que poderia ser mais engraçado do que rir dos momentos mais delicados e hilariantes da vida? Pois é, são estes momentos ao longo de uma viagem pelas vinícolas da Califórnia que Sideways pretende captar. E o faz com sucesso.

cinema, aspirinas e urubus

5- Cinema, aspirinas e urubus (2005) – Um filme de contrastes. Árido. Adentrando o sertão nordestino, um alemão que foge da segunda guerra mundial e um sertanejo falador passam a vender as recém-lançadas aspirinas, que adquirem status de milagrosas em meio à população local. Para vender seu peixe, usam de uma estratégia irresistível: exibir filmes para essas pessoas que nunca se deram ao luxo de assistir projeções antes. Simples e bonito.

6- E Sua Mãe Também (2001) – A história de dois mocinhos que não tem nada para fazer em suas férias de verão rende bons frutos: com Gael García Bernal e Diego Luna, o longa vai muito além do que poderia ser esperado. Ao conhecer uma bela européia, os rapazes decidem ir à praia e durante o percurso passam por situações complicadas, têm contato com a miséria e a intolerância política existentes no México e, de quebra, sofrem transformações que alteram suas vidas para sempre.

7- Um Beijo Roubado (2008) – Na estréia de Norah Jones no cinema, este é mais um belíssimo filme de Wong Kar Wai. Primeiro filme do diretor chinês falado em inglês, o longa é senão uma série de acertos: fotografia eficiente, atuações emocionadas, trilha sonora precisa e um roteiro criativo e esperto. Imperdível!

8- Na Natureza Selvagem (2008} – Uma jornada em busca do autoconhecimento. Mais do que sugestivo, o tema central do filme baseado no livro de mesmo nome escrito por Jon Krakauer não se limita aos clichês. Muito pelo contrário: a emoção domina o filme muito bem dirigido por Sean Penn e estrelado pelo excelente Emile Hirsh. Em sua jornada até o Alasca, o jovem Chris McCandless enfrenta situações peculiarmente diversas que reforçam sua busca por respostas.

9- Transamérica (2005) – Mais uma vez duas pessoas em busca de aceitação. Uma transexual às vésperas de fazer sua última cirurgia para remover seu órgão sexual masculino e de fato tornar-se mulher e um jovem de vinte e poucos anos cujo sonho é tornar-se ator. Tudo poderia soar comum e sem grandes pretensões, caso o jovem não fosse o filho fruto da única relação sexual com uma mulher que a transexual Bree teve, durante a época da faculdade. Uma história forte e densa, desenvolvida de maneira sensível e divertida.

10- Priscilla, a rainha do deserto (1994) – Três drag queens viajam pelo deserto australiano para apresentar seu divertido e colorido show dentro de um ônibus velho entitulado “Priscila”. Um filme alegre, engraçado e com uma trilha sonora fantástica: Abba, Village People e Gloria Gaynor estão entre os destaques dos anos 80. O filme venceu o Oscar de melhor figurino da Academia. Ainda dá tempo de conferir em uma “Sessão da Tarde” um dia desses!

Comentários